Beirute

Será que está na hora de rever os seus conceitos?

terça-feira, abril 17, 2012

Se quando você pensa em Oriente Médio lhe vem à tona somente imagens de guerra, terroristas e mulheres reprimidas, está na hora de rever seus conceitos.
É claro que, assim como em qualquer país do mundo, há lugares menos evoluídos que outros e povos de ideias atrasadas, em cidadezinhas do interior, por exemplo. Mas vamos tomar como base as capitais e as grandes cidades.

Por que é que quando se fala em vida noturna, só se fala nos mesmos lugares?
Andei pesquisando, na internet, as melhores baladas do mundo e as melhores cidades para cair na farra e, por incrível que pareça, só encontrei os grandes clichês como Amsterdam, Las Vegas, Miami, NY, Barcelona e seus nightclubs famosos. Veja essa lista das 10 mais "sin cities", por exemplo. Será que os autores dessas listas nunca foram a Beirute, no Líbano? Acredito que não. É por isso que acho que só pode fazer uma lista de melhores quem conhece tudo.

Conheço poucas pessoas que visitaram o Líbano, mas todas tiveram a mesma conclusão que eu: Beirute é a melhor cidade do mundo (que já visitamos). A vontade de morar lá é unânime -- e bate em todos os turistas!
Não é só pela vida noturna, mas pela vida em si. O povo libanês é festeiro por natureza, adora banquetes, bebidas, fartura... Nada é pouco. Se você pede um prato num restaurante, o prato vem enorme, capaz de servir a uma família inteira (ok, exagerei, mas é mais ou menos por aí). Se você vai à casa de alguém, é praticamente "obrigado" a comer -- e muito. Chega a ser falta de educação não aceitar. Tem balada que não vende nem shot porque todo mundo pede garrafa de bebida. Fora que, em plena segunda-feira de madrugada, os bares e pubs estão lotados, com gente alegre, paquerando e fumando shisha até altas horas da madrugada. E quem se importa? O que interessa nessa vida é mesmo viver o hoje.

Pois bem. Você leu o parágrafo anterior e não conseguiu relacionar esse ambiente com o que você imaginava até então? Confesso que antes de ir para lá, mesmo tendo ouvido milhares de histórias de minha família e de meus amigos árabes, eu ainda acreditava que só veria mulheres de burca no Oriente Médio e até fiquei preocupadíssima com o que eu deveria vestir. No fim, acabei levando roupas comportadas demais e saí em desvantagem perto das libanesas (e até das emiratis), seus sapatos de saltos altíssimos e saias curtas.
É aquela coisa... Não acredite tanto nos esteriótipos narrados em filmes de Hollywood. Da mesma forma que Paris não é formada só por gente rica, elegante e romântica, Beirute não é um constante bombardeio.

O jornalista Gustavo Chacra até fez um post em seu blog do Estadão, sobre isso: "Veja a balada em Beirute, melhor do que São Paulo, Buenos Aires, Rio, Nova York e Barcelona", com o vídeo que a CNN fez sobre a noite de Beirute. Arrisco dizer que Beirute é melhor que Las Vegas. Pelo menos foi pra mim e pra Ana. Nos divertimos mais, fizemos mais "sucesso", gastamos (bem) menos e dançamos muito mais. E isso porque fomos no inverno, hein? Como contei no post sobre a White Beirut (uma das baladas mais famosas de lá), as coisas acontecem pra valer mesmo no verão.

Deixo você com alguns vídeos que descrevem melhor o que estou dizendo:


E aí? Mudou de ideia?
Se quiser ver mais vídeos, acesse o canal do BeirutNightLife no YouTube.

Beijos,



Você também poderá gostar de:

0 comentários

Receba o #SinTrip por email



Curta o #SinTrip no Facebook