Cuba

O transporte em Cuba

quarta-feira, janeiro 09, 2013

Quando começamos a listar os temas para os posts, concordamos que o transporte merecia uma publicação inteirinha para ele. Existem mil e uma formas de ser transportado em Cuba e parece que as pessoas sempre dão um jeitinho para ganhar alguns trocados com isso. Você vê de tudo: montes de sucata transformados em cabines, bancos de carros velhos colocados em cima de bicicletas, carros super antigos e com cores que você nunca imaginou ver em um carro, e por aí vai.

Fiz um guia rápido sobre os meios de transporte que existem em Cuba e de que forma você pode usá-los:

Cubatáxi (855 5555) - carros relativamente novos (não se deixe enganar pela aparência) com placas azuis. São oficiais, têm taxímetro e podem ser chamados pelo telefone. 



O preço é geralmente mais caro, mas para tudo há conversa na Ilha de Fidel. Eles trabalham com três tarifas: aeroporto, noturna e uma mais em conta. A do aeroporto costuma ter preço fechado e custará, em média, CUC$ 25. Ainda assim, você pode negociar o valor da corrida ou da tarifa antes de entrar no carro. O preço é CUC$ 0,50 por km rodado e o taxímetro começa a rodar com CUC$ 1,20.

Táxi comum - carros comuns, de várias cores e placas amarelas. Os carros ficam, geralmente, na frente dos hotéis e o preço pode ser negociado com o motorista. Veja, se ficar em uma região central de Havana, como o Malecón, nenhuma corrida deverá custar mais que CUC$ 6 para qualquer lugar da cidade e isso é sério. Bata o pé, ok?

Almendrón - tradicionais carros grandes e velhos com placas amarelas. São particulares e dizem que não podem transportar turistas. 



Bom, essa é a história que escutamos, mas metemos a cara e andamos neles mesmo assim. Os almendrónes são as famosas caronas pagas de Cuba. Na cidade, passam pelas principais vias e fazem rotas fechadas -- importante perguntar antes se ele vai até o destino desejado. Não é difícil de pegá-los e, geralmente, param nos pontos de ônibus. Em Havana, passam em ruas como a Infanta, La Rampa/23, Malecón etc. Importante: a corrida nunca custará mais que MN$ 10 por pessoa. Se estiver em duas pessoas, CUC$ 1 é o suficiente. Lembra da conversão? Não deixe que te cobrem mais por ser turista. Quando entrar em um, fale pouco e já pague a corrida antes de sentar. Se ficar com receio, faça como nós e trate de fazer amizade com o povo. Eles não somente são divertidos como ajudarão nos almendrónes. E, claro, não se esqueça de que você provavelmente pagará a corrida do seu amigo cubano.

Cocotáxi ou Cocomovil - isso mesmo, um coco motorizado. É basicamente uma moto com uma carapuça de latão parecida com um coco. Suporta até três pessoas e é um transporte caro. 



Geralmente, os motoristas querem cobrar por pessoa e não por corrida. Não deixe. Quando pegamos um a primeira vez, estávamos na Plaza de La Revolución e queríamos ir a um lugar que não estava mais distante que 3km. O bonitão quis cobrar CUC$ 5 por gatinha, mas nem em sonho pagaríamos isso.


Dica de ouro que foi dada por um cubano: se o motorista ficar de gracinha, já comece com um "ai chico, no" e a conversa começa aí. ;) Pelo menos com a gente funcionou e muito bem. Agora, se eles insistirem em cobrar, peça para ele parar, fale adiós, saia do veículo e você vai ver como as coisas se arrumam rapidinho... hahahaha

Bicitáxi - bicicleta (ou projeto de) com um banco e cobertura. Pode suportar três pessoas, mas bem magrinhas. Tenha dó do dono da bicicleta.


Também é um transporte caro e é praticamente o mesmo esquema do coco. Eles têm o hábito de oferecer passeios pela cidade, mas, honestamente, prefiro pagar mais caro em um carro antigo ou no tourbus e fazer um passeio decente e mais confortável.

Charrete - não uso por questões morais em nenhum lugar do mundo. Assim como o cocotáxi e o bicitáxi, o preço é mais salgado e tentarão cobrar por pessoa. Também oferecerão tours pela cidade, mas eu, particularmente, acho um passeio chato e desnecessário, já que os cavalos sempre são judiados.

Habana Bus Tour (ônibus vermelho de dois andares) - ônibus turístico. Por CUC$ 5 por pessoa você pode ter uma visão geral da cidade de uma vez só.


Como é possível pegá-lo quantas vezes quiser durante o dia, até às 18h (horário que ele para de circular), é bacana descer onde quiser, tirar fotos e pegar o próximo. Fique atento apenas aos pontos, pois não são tão óbvios. O ponto final/inicial dele é no Malecón, pertinho do Castillo de la Real Fuerza, ou seja, perto de tudo e bastante fácil de identificar. Fizemos e vale a pena.

Ônibus de linha - transporte mais utilizado pelos cubanos, depois do almendrón.


É bastante comum ver os ônibus assim, lotados
Custa MN$ 0,40 e passa pela cidade toda. Acredito que seja assim também nas demais províncias. Há, porém, um ritual a ser seguido para pegar o ônibus: quando chegar no ponto pergunte SEMPRE quem é o último da cola (fila, em espanhol), porque as pessoas ficam onde elas querem. É importante e é educado.

Locação de carro - bastante comum entre turistas que querem explorar mais da ilha. São carros mais novos e com placa vermelha


Contei aqui sobre as informações que temos sobre locação de veículos em Cuba e sim, acredito que valha a pena sim alugar um carro, principalmente quando o plano é visitar outras províncias. Só esteja certo de que você tem um co-piloto que leia mapas muito bem. :)

É isso! Agora é voar para Cuba e escolher o seu meio de transporte.

Até mais!


Você também poderá gostar de:

6 comentários

Receba o #SinTrip por email



Curta o #SinTrip no Facebook