Amsterdã

Amsterdã (Holanda): o que você precisa saber antes de viajar para lá

segunda-feira, fevereiro 02, 2015

Amsterdã é uma cidade encantadora! A capital da Holanda é mundialmente conhecida pelos canais, pontes (mais de 1.200) e casinhas super tortas que enfeitam com cores diferentes uma cidade que é uma das minhas preferidas. Com pouco mais de 811 mil habitantes, Amsterdã é uma cidade compacta, e, se você tiver pique, além das tradicionais bicicletas, pode conhecê-la toda a pé. Entre os meses de março e abril, em especial, uma multidão de turistas se deixa encantar pelas cores de milhares de tulipas que delicadamente se espalham por toda a Holanda. Lindo!

Canais e bicicletas por toda Amsterdã <3

As estações são bem definidas na Holanda e nunca estará quente o suficiente. Por lá, sempre estará geladinho. No verão, por exemplo, costuma ficar em torno dos 20ºC. Por isso, ter uma blusinha à tira colo é sempre uma boa opção.

Para entrar no país, os brasileiros que pretendem ficar até 90 dias não precisam de visto, apenas um passaporte válido e também não é necessário se preocupar com a língua, já que o inglês é falado pela maior parte dos locais. As sinalizações pelas ruas, geralmente, também estão nos dois idiomas, em holandês (que eu não achei tão difícil de entender) e em inglês, incluindo, obviamente, o moderno aeroporto internacional de Schipol. O aeroporto é incrível e dá acesso aos principais meios de transporte públicos: há pontos das principais linhas de ônibus e linhas e metrô que saem para toda a cidade. 

A cidade de Amsterdã é um ponto de partida bastante popular para quem planeja fazer uma eurotrip. Do aeroporto de Schipol saem trens para praticamente todos os destinos europeus. Além disso, as passagens para Amsterdã costumam ter um preço bastante interessante, independentemente da temporada.

Para se hospedar, se você é como eu e gosta de ficar onde as coisas acontecem, o negócio é encontrar hoteis nas regiões de Buitenveldert (Amstelpark) e Jordaan, Old South (Vondelpark); para ficar no coração da cidade o ideal é se hospedar próximo à Praça Dam. Eu evitaria o Red Light District, porque à noite não é tão seguro quanto outras partes da cidade e acho que é bacana só pra passear e encher a cara. Eu me hospedei no StayOkay Amsterdam Vondelpark e gostei. Hoje, por quatro noites, por exemplo, você paga 112 euros e tem café da manhã incluso. Vale a pena.

Para conhecer Amsterdã e não ter dor de cabeça se preocupando em esquecer de visitar alguma atração, compre um I amsterdam card, um cartão que permite usar metrô, ônibus e os trams (uma espécie de bonde elétrico que cruza a cidade toda) por períodos de 24h, 48h e 72h. Eu comprei um na época e vale muito a pena. O cartão também dá direito a entrar em museus como o Van Gogh Museum e garantem descontos de até 25% em atrações, como a Heineken Experience, e no aluguel de bicicletas.

Ainda sobre o transporte público: quando usar o transporte público, não se esqueça de ter em mãos o recibo da passagem, pois os fiscais estão nos vagões a todo momento e as multas são pesadas para quem não tiver pago a passagem, inclusive para turistas. 

Por falar em bicicletas, está aí uma região ideal para se conhecer pedalando, seja para apreciar belezas arquitetônicas ou para fazer um passeio agradável pelo interior. Há percursos que podem durar até um dia inteiro, e os preços variam entre € 15 e € 60. Os pontos mais populares por lá são o AmsterBike (há descontos com o I Amsterdam card) e o Sandemans.

Além das bikes, outros detalhes tornam Amsterdã muito especial e diferente. O passeio pelo Red Light District é uma das atividades mais pitorescas e divertidas. As moças exibidas em pequenas vitrines farão você ficar dividido entre a curiosidade e o estranhamento. E muito importante: evite tirar foto das vitrines, primeiro porque não é educado tirar foto de alguém trabalhando, especialmente nestas condições, aliás, muitas das moças ali vêm de outras cidades para ganhar dinheiro e não contam para as famílias o que fazem. Segundo e mais importante, você corre o risco de ser abordado por um cafetão que não ficará acanhado em tirar sua câmera. Presenciei essa cena pelo menos duas vezes.
Casinhas tortas

Como o sexo, definitivamente, não é um tabu por lá, outra atração são os sex shops. Na Oudezijds Achterburgwal há vitrines para todos os gostos, curiosidades e bolsos. Juro que ali eu vi produtos para vender que eu nem imaginei que existissem. hahahaha

"Mas Ana, e a maconha?". Calma, amigos, chegaremos lá. A Holanda tem uma política de combate às drogas muito bem definida, o que pode ser confundido por algumas pessoas como liberal demais. Pelo contrário, para o governo dos Países Baixos, o trato com o vício é muito mais amplo, sendo considerados problemas sociais o vício à jogatina, ao videogame e a remédios prescritos. 

No caso da maconha, o uso não é permitido, como se acredita, mas tolerado. Por exemplo, nos coffee shops (não confundir com cafés), o cidadão pode comprar maconha e fumar. É considerado um crime? Sim. A polícia vai fechar o estabelecimento ou prender quem consumir? Não, porque é um crime tolerado

É importante desmistificar este ponto, porque muitos amigos e conhecidos acham que em Amesterdã é a festa do baseado. Na verdade, pode até ser, mas dentro dos coffee shops, e, se levar para rua, não mais que 5 gramas, que é o máximo permitido pelo Governo sem que você seja preso ou processado. No site do Governo há mais detalhes se você quiser saber tudo em detalhes.

Os coffee shops, então, são os lugares mais seguros para fumar a sua maconha em paz. Além disso, os funcionários conhecem muito bem os níveis das ervas vendidas (sim, há muitos tipos) e podem indicar para você o que for melhor, principalmente se você não tiver o hábito de fumar maconha. Ah, nos coffee shops não pode fumar tabaco e bebidas alcoólicas não são vendidas, tá? Entre os mais populares estão o The Grasshopper e o DampKring

Arrume a mala, abra a sua mente, prepare as pernocas e aproveite Amsterdã com todas as experiências que ela pode te proporcionar!

Até mais!

Você também poderá gostar de:

2 comentários

Receba o #SinTrip por email



Curta o #SinTrip no Facebook