Home » , , » Dia 7: Caminho de Santiago (Espanha) - De Portomarín a Palas de Rei

Dia 7: Caminho de Santiago (Espanha) - De Portomarín a Palas de Rei

Written By Luciana Sabbag on segunda-feira, julho 13, 2015 | segunda-feira, julho 13, 2015

Em nosso quarto dia de Caminho de Santiago (aniversário da Cintia), fomos as últimas a levantar da cama. Acordamos cedo, mas achamos melhor esperar todo mundo se arrumar e usar os banheiros para, depois, nos aprontarmos em paz. Este Albergue de Portomarín é municipal e, quando dá 8h da manhã, o povo da limpeza expulsa todo mundo. Sobre este albergue, minha opinião está no vídeo: 


A cidade de Portomarín é uma graça, mas não tivemos tempo de "turistar" (deveríamos ter feito isso no dia anterior, se não tivéssemos chegado tão tarde - e tão cansadas).

Dia 7: Caminho de Santiago (Espanha) - De Portomarín a Palas de Rei
Igrexa de San Nicolao ou San Xoán (na Galícia, a letra X substitui a J)
Saímos com as roupas que havíamos lavado no chuveiro do albergue penduradas em nossas mochilas. Essa é uma prática comum entre os peregrinos. Fica assim, uma favelinha particular.

Dia 7: Caminho de Santiago (Espanha) - De Portomarín a Palas de Rei

Mas não demos muita sorte porque estava frio e pegamos uma super neblina (ou seja, as roupas não secavam nunca!). De Portomarín até Toxibo (passando por Fábrica de Tijolos), onde paramos para descansar em um banco de pedra, o trecho possui 5 Km de subida (120 m) - e foi bem cansativo.

Dia 7: Caminho de Santiago (Espanha) - De Portomarín a Palas de Rei
Neblina de filme de terror
Apesar do corpo doer, já estávamos no "piloto automático" e até que andamos mais rápido do que o normal. Mas chegamos a uma conclusão:


Brincadeiras à parte, seguimos para Gonzar, a primeira cidade desta etapa, que fica a 8 Km desde Portomarín. Lá, "todos os peregrinos do mundo", inclusive vários que havíamos conhecido nos dias anteriores, estavam tomando café da manhã - e, óbvio, paramos para comer também.

Dia 7: Caminho de Santiago (Espanha) - De Portomarín a Palas de Rei
Café-Bar Gonzar
Seguimos subindo mais 147 m de altitude em 5,5 Km, até chegarmos em Vendas de Narón, onde paramos para descansar outra vez, no albergue/restaurante Casa Molar. Tomamos uma Coca-Cola, andamos mais um pouco e paramos novamente, no albergue O Cruceiro, onde eu almocei um hambúrguer delicioso. Perceba que mantive minha saudabilidade no Caminho. :P

Dia 7: Caminho de Santiago (Espanha) - De Portomarín a Palas de Rei
Albergue/restaurante O Cruceiro
Este foi o dia em que fizemos mais (e mais longas) paradas. Não podíamos ver um restaurante, uma vendinha ou um albergue, que nos sentávamos e esticávamos as pernas. Em Ligonde, a 3 Km de Vendas de Narón, paramos no Albergue Fuente del Peregrino para encher nossos cantis de água - e o pessoal lá é adorável!

Dia 7: Caminho de Santiago (Espanha) - De Portomarín a Palas de Rei
Fuente del Peregrino
De Ligonde a Portos, andamos mais 3 Km. Achamos que Portos era uma cidade, mas era só um micro-vilarejo (pra variar). Pelo menos tinha um albergue lindo, chamado A Paso de Formiga, onde paramos, claro: desta vez, para tomar uma cervejinha (em comemoração ao aniversário da Cintia) e tirar as botas.


Faltavam apenas 5,6 Km para Palas de Rei - eu mal podia acreditar que "já" tínhamos andado quase 20 Km! E seguimos. Passamos por vários pueblos minúsculos (Lestedo, Os Valos, A Brea, Avenostre e O Rosario) e, quando menos percebemos, vimos a placa de "Bienvenidos a Palas de Rei".

Paramos na primeira hospedaria que vimos (La Cabaña), que era linda de morrer (e que, na verdade, não era albergue mas, sim, hotel), e entramos para ver o preço. Pois 60 euros por um quarto duplo não dava. Não mesmo! Andamos mais um pouco e vimos o albergue municipal. Pensamos, pensamos e não sabíamos se andávamos mais ou ficávamos por ali mesmo. Até que encontramos nosso amigo francês, que conhecemos em Tríacastela. Ele estava voltando de algum mercado, com sacolas na mão, e perguntamos se, de onde ele vinha, havia outras opções de albergue. Ele disse que sim, mas que estava hospedado no municipal. Minhas panturrilhas estavam ardendo e eu não sabia o porquê (quase descobri mais tarde), mas mesmo assim, decidimos andar mais um pouco. E chegamos ao centro de Palas de Rei.


Escolhemos um quarto duplo no albergue San Marcos. Era uma "exigência" de aniversário da Cintia e estávamos mesmo muito cansadas - precisávamos de um pouquinho de conforto. Tomamos banho correndo, nos trocamos e fomos à igreja, que ficava bem na frente do albergue. Às 20h, assistimos à missa, que foi linda, linda, linda (com o padre dando a bênção em todos os idiomas!), e fomos falar com os padres na sacristia. Demos a eles pulseirinhas de Nossa Senhora Aparecida e ganhamos um chaveiro cada uma, de Nossa Senhora do Perpétuo Socorro, do padre mais velhinho. Até me emocionei. Eu sou devota de Perpétuo Socorro! <3

Dia 7: Caminho de Santiago (Espanha) - De Portomarín a Palas de Rei

De lá, fomos jantar no albergue Castro, para comemorar, de verdade, o aniversário da Cintia (hahaha).

Dia 7: Caminho de Santiago (Espanha) - De Portomarín a Palas de Rei

Tomamos um vinho, comemos e ficamos batendo papo com o dono e com o garçom. Foi quando me dei conta de como estavam minhas panturrilhas. Lembra que comentei que estavam ardendo? Olhei para elas e me assustei com a vermelhidão. Perguntei se eles sabiam o que era, se isso era comum entre peregrinos, e disseram que parecia urtiga (urticária) e que eu deveria passar na farmácia e comprar alguma pomada antialérgica. Mas quem disse que havia alguma farmácia aberta? Andei a cidade toda (que não é muito, mas...) e não achei nada.

Quando voltei para o albergue, perguntei à recepcionista se ela sabia o que era. "É... parece que você raspou a perna em alguma planta venenosa", ela disse, e me deu um creme cicatrizante que ela tinha no armário. Fiquei encanadíssima e procurei o problema no Dr. Google. Aquilo não estava com cara de alergia, não. A vermelhidão parecia vir de pequenos vasinhos estourados - o problema era interno e não externo. A resposta do Dr. Google? Contusão muscular. Também achei estranho porque não estava doendo (só ardia). E em todos os links que encontrei, a maneira de tratá-la era com repouso total. Isso eu não poderia fazer, estava fora de cogitação. Então dormi pensando "vamos esperar para ver como essas panturrilhas estarão amanhã". Paciência.

Dia 7: Caminho de Santiago (Espanha) - De Portomarín a Palas de Rei
Bizarro :(
E dormimos muitíssimo bem, depois desses 25 Km em 11 horas de caminhada. Abaixo, a distância que percorremos:


Por hoje é só. Veja todos os posts do Caminho de Santiago aqui.

Beijos,

SHARE

Sobre Luciana Sabbag

Jornalista, 34 anos, canceriana, chorona. Se emociona com tudo. Vive sem muito planejamento, mas com muitos planos.

0 comentários :

Postar um comentário