Leve com Você

Recebendo gringo em São Paulo - Parte 1: almoço

quarta-feira, abril 25, 2012

Uma das melhores coisas em viajar é fazer amigos.
Melhor que isso é fazer amigos que ficam para sempre. E, acredite, os amigos que você fará viajando, ficarão. 

Gosto muito de receber esses amigos em minha cidade. Às vezes, recebo amigos de amigos e fico feliz por aumentar meu hall de amizade. Sabe aquela coisa de "meu amigo está indo para o Brasil, queria que vocês se conhecessem"? Pois então.

Já recebi gente de vários lugares e de culturas e comportamentos diferentes. Nem sempre dá pra agradar 100% a todos, mas eu procuro sempre levá-los a lugares que eu acredito que combinam com o perfil deles.
Tem gringo que parece que nada o surpreende, mas depois você o vê publicando no Facebook que seus dias em São Paulo foram incríveis e todo o seu trabalho é compensado. 

Viu? :)
Neste primeiro post da série "Recebendo gringo", deixo algumas dicas para você deixar seu amigo estrangeiro bem feliz na hora do almoço. A intenção desses posts não é relacionar os melhores restaurantes de São Paulo, nem os clichês de ranking de revista. Ao contrário, é mostrar alternativas para que você não gaste uma fortuna caso queira ser gentil e pagar a conta da mesa inteira. Falaremos, em outros posts, sobre lugares com comidinhas brazucas, baladas bacanas e pontos turísticos legais. Esta série serve também para você receber seus amigos de outras cidades brasileiras e que não sejam necessariamente gringos. Só não precisa apresentar samba e feijoada pra eles porque, com certeza, eles já conhecem.

A primeira coisa que você deve saber antes de receber um gringo em sua cidade é se ele é vegetariano ou se não come algum tipo de carne, para não cometer nenhuma gafe. Já recebi uma inglesa, a Claire, que mesmo sendo vegetariana fez questão de ir a uma churrascaria para conhecer. Ela se esbaldou com o buffet de salada e tudo bem.

Se o gringo come carne, o primeiro lugar para onde você deve levá-lo é o Mercado Municipal, para que ele prove dos famosos sanduíches de mortadela ou de pernil e o suculento pastel de camarão.

Sanduíche de mortadela, sanduíche de pernil e pastel de camarão

No Mercado Municipal há várias opções de restaurantes que têm esses lanches no cardápio e todos possuem praticamente os mesmos preços.

Sanduíche de mortadela e pastel de camarão
Já fui em vários como O Brasileirinho ou Mortadela Brasil, mas o mais famoso mesmo é o Hocca Bar. Como todos ficam sempre lotados, faça a reserva da mesa antes porque esperar é muito chato. Ainda mais se a programação for apertada.
Mesmo com perfis muito diferentes, os gringos amam. Nunca conheci um que não tenha pirado nesses pratos. Veja as reações deles:


Aproveite e peça uma caipirinha para o gringo provar. Mas, por favor, pergunte antes se ele bebe álcool e avise que o drink é forte.  ;)
Nem todo gringo gosta de caipirinha. Se for o caso do seu amigo, um chopp gelado é uma boa pedida.

O Tony amou caipirinha
Já a Claire curtiu mesmo o nosso chopp
Ainda no Mercadão, aproveite para dar uma volta com o gringo pelas bancas de frutas e apresente-lhe as típicas como a carambola, por exemplo, e os docinhos cristalizados brasileiros como os de abóbora e batata doce. Lá, você vai encontrar ótimas sobremesas para fechar o almoço com chave de ouro.

Docinhos cristalizados delícia!

Feijoada

Tem muito gringo que não come carne de porco. Fique atento a isso também. Os americanos normalmente adoram, mas se receber algum gringo que seja muçulmano, por exemplo, não leve-o para comer feijoada por nada nesse mundo, hein? E tome cuidado com os restaurantes de comida brasileira porque a maioria coloca bacon na farofa. Pergunte ao garçom antes de deixar seu amigo se servir.

Gringo pira em feijoada também (na verdade, gringo paga pau pra tudo que é do Brasil, em especial para a nossa comida) e, por isso, fique atento às datas da viagem do cara. Foram pouquíssimas as vezes que consegui levar um gringo para comer feijoada. A maioria dos meus amigos veio a negócios e a viagem nunca coincidiu com nossos dias "feijoísticos" (quarta-feira e sábado). 

Para comer feijoada em qualquer dia da semana, leve-o no Bolinha. É cara, bem cara (R$ 80 por pessoa), mas é a melhor de São Paulo. O Bolinha também serve feijoada à noite (o que é raro), para caso vocês não tenham tempo de almoçar, mas avise o gringo que esse prato é bem pesado.

Se ele tiver a sorte de vir nos dias típicos, você pode levá-lo no Baby Beef Rubaiyat, onde a feijoada é servida em porções (cumbucas). O Rubaiyat tem vários endereços em São Paulo, o que pode facilitar para você, e foi eleito diversas vezes pela Veja S. Paulo o melhor restaurante de carnes da cidade. A vantagem é que lá você já pode matar a curiosidade do gringo de conhecer uma churrascaria também. Mas é caro, óbvio. 

Na minha opinião, é mais legal levar o gringo em um lugar descontraído, que tenha Samba ou Chorinho ao vivo. O Bar Memorial, no Campo Belo, é uma boa pedida. A feijoada é servida no buffet e os clientes podem comer à vontade. Fora que dá pra esticar a visita até o fim da tarde, já que o lugar é um bar e tem ótimas bebidas.

Também às quartas e sábados, o boteco Pirajá, em Pinheiros, tem a feijoada inspirada na receita de Tia Surica, pastora da Velha Guarda da Portela. O serviço é a la carte e o som ambiente é MPB e Samba Rock.

Uma feijoada simples, mas na medida certa (para os gringos que comem pouco, como os europeus), é o da Cervejaria Devassa, que também tem vários endereços. O legal da Devassa é poder ficar bebericando até mais tarde. Mas a feijuca lá é servida somente aos sábados.

Feijoada da Cervejaria Devassa: na medida
Se você receber o gringo na segunda ou na quinta, por exemplo, e ele quiser muito comer a comidinha brasileira (e você não quiser ir no Bolinha), a solução é levá-lo a um restaurante mineiro.

Comida mineira

Quando se fala em comida mineira, o restaurante Dona Lucinha, sem dúvidas, é o primeiro que vem à cabeça. Realmente, a comida é uma delícia, mas já adianto que a conta será alta. Para se ter uma ideia, paguei em torno de R$ 70 por pessoa, numa tarde em que a comida já estava fria e "borrachenta". Não gostei.

Um lugar que não é muito bonito, mas é simpático, tem uma comida maravilhosa e um preço bem bacana é o Tempero das Gerais, no Brooklin (perfeito para os gringos que vêm a trabalho e ficam na região da Berrini). Levei o Serafin lá e ele se esbaldou! Pedimos muita comida, mas muita mesmo! E a conta deu R$ 100 pra duas pessoas. E deu pra levar um belo marmitão pra casa! Haha.

Serafin e a comidinha mineira do Tempero das Gerais
Outra opção é o Consulado Mineiro, que tem buffet por R$ 21,50. Precinho bacana e comida bem boa! Além disso, o restaurante tem três endereços em São Paulo. 

Se seu amigo gringo não for muito chegado em feijão, o negócio é levá-lo a uma churrascaria.
Hoje em dia, há churrascarias brasileiras por quase todo o mundo. Se seu amigo for americano, ele já deve ter ido ao Fogo de Chão por lá que, inclusive, tem exatamente a mesma qualidade que as filiais brasileiras). Se não foi, esta é a chance dele de conhecer o verdadeiro churrasco brazuca.

Churrasco

A melhor churrascaria de todas, sem dúvida alguma, é o Fogo de Chão. É claro que é a mais cara e que você gastará um bocado (coisa de quase 200 paus per capta), mas se o gringo é exigente, este lugar é o ideal. No Fogo de Chão não há aquela babaquice de servir frutos do mar, massa e tudo mais que um rodízio costuma servir. Eles são especialistas em carne e ponto final. Não é à toa que servem os melhores cortes do mundo. E não pense que o preço não vale a pena porque vale. Lá, a picanha nunca chegará no final pra você.

Tem ainda o Churrasco's, no Brooklin, que não é muito barata (uns R$ 100 por pessoa) e o serviço é a la carte. O James garante que foi no Churrasco's que ele comeu o melhor camarão da vida dele. Camarão não era bem o que eu queria que ele elogiasse, mas está valendo. No Churrasco's, os frutos do mar são servidos só às sextas-feiras, tá?

Se se bolso não permite um Fogo de Chão ou um Churrasco's, há outras churrascarias mais em conta como a South's Place (média de R$ 50 cada um), também no Brooklin, e a Grill Hall - Prazeres da Carne (média de R$ 70), na Vila Mariana.

Eu e a Claire numa churrascaria baratinha do Campo Belo
São poucos os gringos que ligam para luxo. Os que estão acostumados a viajar muito, principalmente os europeus que adoram viajar de mochilão, não se importam mesmo. A não ser que você esteja recebendo um executivo e que seu almoço seja de negócios, não se preocupe muito com isso. Assim como nós, quando viajamos, que procuramos comer bem e gastar pouco, eles também querem isso.

No próximo post, você saberá quais são as coisinhas que um gringo não pode deixar de experimentar para nunca mais se esquecer do Brasil.

Veja também:
Recebendo gringo em São Paulo - Parte 2: comidinhas
Recebendo gringo em São Paulo - Parte 3: jantar
Recebendo gringo em São Paulo - Parte 4: noitada

Beijos,



Você também poderá gostar de:

5 comentários

Receba o #SinTrip por email



Curta o #SinTrip no Facebook