Leve com Você

Recebendo gringo em São Paulo - Parte 3: jantar

quinta-feira, maio 03, 2012

Neste terceiro post da série "Recebendo gringo", falo dos tipos de jantar que você pode oferecer ao seu amigo de fora, em São Paulo. Como expliquei no primeiro post, nossa intenção não é listar os melhores restaurantes da cidade, mas mostrar os tipos de comida e lugares que são bacanas pra gringo conhecer.

Dependendo do dia e horário, nem tudo está aberto. São Paulo é uma cidade curiosa: é a maior capital do país, apelidada de "cidade que não dorme" e, mesmo assim, eu sempre me pego sem saber aonde ir. Aí, quando recebo um gringo e sei que preciso sair com ele à noite, para jantar, já fico desesperada.
Hoje eu já sei que, se passou da meia-noite, fica bem complicado arrumar um lugar bacana. E é por isso que eu já levei gringo pra comer...

Hamburguer e sanduíche

Parece ridículo levar um americano para comer hamburguer, mas meu amigo Serafin é músico e só ficou livre depois da 1h da manhã, quando o show em que ele estava tocando acabou. Eu e a Ana pensamos, pensamos, pensamos e não encontramos nada que pudesse estar aberto àquela hora senão uma lanchonete 24 horas. Ele até achou graça quando falamos que apresentaríamos a ele o hamburguer brasileiro.
Mas é óbvio que não o levaríamos no Burger King ou no McDonald's, né?
Nossa lanchonete favorita é o Chicohamburger. Além das dezenas de opções de lanches, ainda há petisquinhos típicos do Brasil no cardápio. Foi aí que valeu a pena: pedimos uma porção de calabresa acebolada e uma de mandioca frita. Ele amou!

Com o Serafin no Chicohamburger
Há algumas opções de lugares que funcionam 24 horas em São Paulo, mas a maioria se resume a Fran's Cafe e McDonald's. Nessa lista, há algumas lanchonetes e "restaurantinhos" mais cool.
Assim como aconteceu com o Serafin, aconteceu uma vez com o Barry e com o Tony, que também são músicos e saíram tarde do show. Levamos os gringos na Bella Paulista, onde comemos daqueles sanduíches espetaculares que eles servem.
O Estadão serve lanches bem gostosos também, mas eu não curto o ambiente. Não levaria um amigo turista lá. Pra mim, aquele lugar só é legal para local comer depois de uma balada louca no centro. O clima de botecão não é muito aconchegante e não passa uma boa impressão. Mas essa é a minha opinião. ;)

Pizza

Assim como hamburguer, a pizza é um dos pratos mais consumidos na gringa, mas (na boa?) nenhuma é gostosa como a pizza de São Paulo. Massa fina, desculpa, só nós temos. :)
Outro dia recebi duas gringas mais patricinhas, que preferiram passar a tarde na Daslu a fazer um tour por São Paulo. Depois de horas no Shopping Cidade Jardim, sugeri que jantássemos pizza e elas toparam.
Fomos à 1900 Pizzeria, em Moema, e confesso que fiquei bem sem graça quando percebi que minha escolha não havia agradado tanto assim. Fazia muito tempo que eu não comia nessa pizzaria e me decepcionei um pouco quando voltei. Além de cara, foi a pizza mais sem graça que comi nos últimos anos.
Elas não reclamaram, mas também não elogiaram.

Helena e Jhonica, na 1900 Pizzeria 
Eu prefiro pizzarias menos famosas, pra ser sincera. Sempre acho que a qualidade cai quando o sucesso sobe à cabeça. Como gosto das pizzarias de bairro, não quero fazer uma lista de pizzarias boas aqui -- até porque todo mundo tem a sua favorita e, se alguém não tiver ideia de lugar, a lista da Veja está aí pra isso.
Só deixo uma dica: Graminha. Esta pizzaria, que fica na Vila Madalena, serve pizza quadrada por metro. A massa crocantinha é uma delícia! Vale a pena levar um turista lá.

As pizzas quadradas (por metro) da pizzaria Graminha

Comida italiana

Que a presença italiana em São Paulo é fortíssima, não podemos negar. É por isso que, além de pizza, saborear uma massinha tornou-se tradição entre os paulistas. Há restaurantes italianos por toda a cidade mas não podemos deixar de mostrar aos turistas os tradicionais do bairro do Bixiga.
Levei a Claire para jantar no Vico d'o Scugnizzo, no Jardim Paulista. Essa cantina é uma delícia! O preço não é dos mais baratos (sai uns R$ 60 por pessoa), mas comida italiana nunca é. Música ao vivo e pratos muito bem servidos. O único probleminha de lá é que não aceita cartão. :/

A Claire adorou o Vico d'o Scugnizzo
Meu primo, que não é exatamente gringo, mas mora nos Estados Unidos desde criancinha (podemos considerá-lo gringo, né?), foi comigo, em uma de suas visitas a Sampa, no Zena Caffé. Ele amou! Lá é realmente uma delícia! Não deixe de provar a famosa focaccia. Você vai gastar uns R$ 70 por pessoa também, mas que serão muito bem gastos.

Piccata al limone e cereali al gorgonzola do Zena Caffé
Se precisar buscar uma cantina italiana perto de você, acesse a lista da Veja SP.

Rodízio de comida japonesa

Comida japonesa pode não ser típica do Brasil (claro!), mas o rodízio e o temaki são. Aliás, o temaki foi inventado aqui, né? ;)
O Barry, meu amigo de Los Angeles, é viciado em comida japonesa. Imagine a felicidade dele quando eu disse que aqui no Brasil nós poderíamos comer sushis e sashimis à vontade por um preço único? Ele pirou.
Pergunte se o gringo gosta de comida japonesa. Se ele gostar, vai te amar pra sempre! Hahaha.

Rodízio do Osaka
Eu gosto muito (mesmo!) do Osaka, que é barato (em torno de R$ 50 o rodízio), e do Ayoama, na Vila Boim, que é considerado o melhor restaurante japonês de São Paulo -- e o mais caro, óbvio!

Com meu primo de Washington, no Ayoama
Mas só na lista da Veja, existem mais de 370 restaurantes japa em São Paulo. Você deve ter o seu favorito também, né?

Jantar em casa

Agora, se tem algo que faz toda a diferença quando se recebe alguém de fora, esse algo é oferecer um jantar na sua casa.
Assim como nos sentimos lisonjeadíssimas em nossas viagens quando fomos convidadas para jantar na casa de nossos amigos (do Todd, em Glendale, da Deanna, em Santa Clarita, do Ahmed, em Beirute, e da Tamima e da Holud, em Ghazee), com certeza o gringo se sentirá especial ao ser convidado para jantar em sua casa.
Não importa que comida você faça ou compre, o importante é mostrar que você se preocupou com seu amigo.

Minha família e a gringaiada, no jantarzinho que fizemos pra eles

Já fiz fondue com a Claire (e tantos outros pratos, já que ela ficou dois meses hospedada em minha casa) e já comprei pizza pra receber uma galera de fora. O prato é o de menos, desde que você proporcione um momento legal e íntimo para seus amigos que, sem dúvidas, fará vocês se aproximarem ainda mais. Certo?

 ;)

Veja também:
Recebendo gringo em São Paulo - Parte 1: almoço
Recebendo gringo em São Paulo - Parte 2: comidinhas
Recebendo gringo em São Paulo - Parte 4: noitada

Beijos,








Você também poderá gostar de:

0 comentários

Receba o #SinTrip por email



Curta o #SinTrip no Facebook